Variados

Por que meu filho não pode usar aparelhos auditivos pequenos?

Aparelhos auditivos
Luciana Garolla
Escrito por Luciana Garolla

Por que meu filho não pode usar aparelhos auditivos pequeno ou dentro da orelha?  

Saiba o porquê o modelo retroauricular é o mais indicado para crianças. 

A perda de audição é invisível.

Sendo assim, é natural que pais de crianças com deficiência auditiva queiram adaptar seus filhos com a aparelhos auditivos pequenos, dentro da orelha, já que os modelos maiores evidenciariam ainda mais o problema. Se este é o seu caso, fique tranquilo!

Hoje há modelos de aparelhos auditivos especialmente desenvolvidos para crianças, bem diferentes, (e muitos até bastante coloridos) do que os utilizados há alguns anos. Entretanto eles devem sim ser retroauriculares, ou seja, modelos “atrás da orelha” e existem algumas razões importantes para isso.  

Aparelhos retroauriculares são mesmo os mais adequados às crianças, em primeiro lugar pela questão da segurança. Os aparelhos auditivos para crianças pequenas devem ter: 

  • Compartimento de bateria inviolável, para que a criança não possa abrir, tirar a bateria e colocá-la na boca, por exemplo. 
  • Um controle de volume que pode ser bloqueado ou desativado, para que a criança não possa alterar o volume previamente programado e assim deixar de ouvir sons importantes para seu desenvolvimento.  
  • Um gancho (parte do aparelho auditivo que se conecta ao molde) seguro na orelha, permitindo que o aparelho se mantenha seguro sem sair de sua posição. 

Outra questão importante e que deve ser levada em consideração é que os modelos retroauriculares permitem um maior número de ajustes e programações. Nem sempre é possível obter os limiares auditivos da criança com precisão logo no início, e a medida em que mais informações são obtidas, há também a necessidade de reprogramação dos aparelhos.

Temos que notar, também, que o crescimento rápido das crianças e o impacto que isso causa na troca dos moldes que deve ser frequente. Modelos retroauriculares permitem que apenas os moldes sejam trocados para adequação ao tamanho da orelha da criança, sem a necessidade de aquisição de novo aparelho auditivo.  

À medida que seu filho cresce e entra na adolescência, pode ser possível o uso de aparelhos mais discretos. No entanto, ainda existem algumas razões pelas quais os aparelhos auditivos intra-auriculares (ITE) e completamente no canal (CIC) podem não sejam adequados para o seu filho ou podem não oferecer tanto  benefício quanto  o esperado com outro estilo de aparelho auditivo. 

  • A orelha de uma criança/adolescente geralmente não é grande o suficiente para acomodar modelos intrauriculares ( ITE / ITC / CIC). 
  • Alguns modelos ITE ou CIC muitas vezes deixam de fora componentes importantes justamente por serem pequenos. Por exemplo, eles podem não ter bobina de indução eletromagnética (telecoil), e não serem capazes de se conectar a um controle remoto ou qualquer outro tipo de  tecnologia assistiva como o FM. Perder esses componentes pode trazer sérias desvantagens. 
  • Há maior risco de feedback acústico (apito) em aparelhos auditivos ITE / ITC / CIC. 

Independentemente do tipo de aparelho usado pela criança, o que mais importa é o nível de audibilidade para a fala fornecido por eles. Ou seja, antes de pensar no tamanho e aparência dos aparelhos, é importante ter a certeza de que eles estão de fato tornando a fala audível para que sua criança se desenvolva bem. E isso você só consegue saber através do Mapeamento de Fala. 

Ainda não conhece este teste?  Saiba sobre a importância do mapeamento de fala em crianças clicando aqui. 

 

Deixe um Comentário